quinta-feira, 12 de junho de 2014

O que é um chipset?

Chipsets estão presentes não apenas em computadores e smartphones (Foto: Divulgação/AMD)

Chipsets, comumente encontrados em textos de tecnologia e descritivos de equipamentos eletrônicos, são responsáveis por conectar vários componentes de um aparelho, ligando, em um computador, a placa mãe ao processador. Em geral, o termo “set” significa um conjunto, nesse caso, de microchips.


Ao longo dos anos, os chipsets evoluíram, passando a integrar cada vez menos microchips em um único circuito. Em poucos anos, eles passaram de seis para atuais dois microchips na maioria dos casos, denominados de Ponte Norte e Ponte Sul (North Bridge e South Bridge). Em um PC comum, todos os componentes devem estar ligados, de alguma maneira, ao chipset para que a CPU receba os comandos e opere corretamente.
Isso faz com que, obrigatoriamente, os fabricantes de processadores principais ou de gráficos tenham que otimizar seus chips para encaixar fisicamente aos chipsets embutidos na placa-mãe dos PCs, entregando um bom desempenho. Isso faz com que empresas que produzem chipsets um também se dediquem a produzir CPUs e GPUs para otimizar o processo.

Alguns exemplos nesse segmento são Intel, Qualcomm, Nvidia, AMD e MediaTek, além de Samsung e Apple, que costumam criar seus próprios componentes para alguns dos produtos que lançam.

Também fora do PC

Engana-se quem acha que chipsets são exclusividade de computadores ou smartphones. Com equipamentos domésticos cada vez mais inteligentes, cresce o número de equipamentos, como leitores de Blu-ray, scanners e impressoras, dentre outros, que também saem de fábrica com esses conjuntos conectados a processadores dedicados. Ou seja, com CPUs especializadas em tarefas simples, como mover o leitor óptico de um drive de DVD e enviar a informação para a tela.

Fonte: TechTudo